21 de jan de 2012

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
ESPECIALIZAÇÃO EM MIDIAS NA EDUCAÇÃO - 2ª Oferta

TUTORA: Magaly Cabral da Silva
CURSISTA: Dina Bentes Carvalho


MÓDULO 2:
METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA



A Pesquisa Científica
 Dina Bentes carvalho

O homem ao longo do seu processo evolutivo sempre procurou respostas para os inúmeros enigmas da natureza e daquilo que fugia ao seu conhecimento, por isso, não mediu esforços para conhecer a sua realidade e a verdade que o rodeia. Para tanto, criou e aperfeiçoou inúmeros mecanismos e instrumentos, entre elas destaca-se a pesquisa cientifica. O termo pesquisa está ligado à noção de ciência, que por sua vez pressupõe um conhecimento que é fruto de uma comprovação, construído através de regras rígidas. Lakatos e Marconi (2005) ressaltam que a pesquisa exige um procedimento formal com técnica e métodos de pensamentos reflexivos, requerendo também uma sistematização de suas descobertas, dessa forma, a pesquisa alicerçada por uma boa metodologia possibilita ao pesquisador obter novas informações, descobrir coisas, fatos, constatar ou não suas hipóteses.

Do que depende a escolha de um assunto para a pesquisa?
Não é fácil determinar o assunto de estudo de uma pesquisa. O pesquisador deverá entre outras coisas determinar um tema que seja relevante para a comunidade cientifica e para a sociedade, bem como, deverá escolher o assunto com base de critérios de exeqüibilidade e validades (tempo para cumprimento de prazos, materiais de pesquisa, acesso a fontes, conhecimentos prévios, possibilidades de locomoção, enfim, todos os fatores externos e internos que facilitarão ou impedirão a realização da pesquisa), assim como também escolher um assunto em que tenha algum domínio, dessa maneira poderá explorar em profundidade cada nova situação averiguada na pesquisa.  Todos esses fatores embasados por uma boa metodologia contribuirão para sucesso da pesquisa.

Como nasce uma questão de pesquisa?
 A escolha de assunto nasce da inquietação do pesquisador diante de lacunas deixadas, de situações que por mais simples que pareça esconde por trás de sua ação, perguntas que necessitam de respostas claras e objetivas, mesmo tendo sido fundamentada em uma visão de mundo ou em uma concepção do homem, toda a ação é sempre guiada por uma atitude diante do real. 

Que critérios podem elencados na elaboração da coleta de dados num projeto de pesquisa?Quais os principais instrumentos de coleta de dados na pesquisa?
Na coleta de dados deve-se correlacionar os objetivos aos meios para alcançá-los, bem como de justificar a adequação de um a outro. Se optar pela formulação de questões em vez da definição de objetivos intermediários, a correlação deverá ser feita entre questões e meios para respondê-las. Em se tratando de pesquisa de campo, por exemplo, esses meios podem ser a observação, o questionário, o formulário e a entrevista. Cada procedimento apresenta vantagens e desvantagens, não de modo absoluto, mas relativamente a seu problema de investigação. É este que lhe dirá qual o procedimento mais pertinente como, de resto, qual o tipo de pesquisa mais adequado.
Vale mencionar que quando é bibliográfica, por exemplo, a coleta é feita na literatura que, direta ou indiretamente, trata de assunto: livros, artigos, anais de congresso, teses, dissertações, jornais, internet.

Referências Bibliográficas
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2005.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2005.

FILHO, Guilherme Pereira Lima. Metodologia de pesquisa. Manaus: Universidade Federal  do  Amazonas/CETAM, 2009.

MÓDULO 3: 
LINGUAGEM DA MIDIA IMPRESSA - ESCRITA E VISUAL


MÓDULO 4:
DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS COM MÍDIAS INTEGRADAS NA EDUCAÇÃO 

EXCURSÃO DE BIOLOGIA



Para Krasilkchik(2008,p88) a maioria dos professores de biologia considera de extrema valia os trabalhos de campo e as excursões; no entanto, são raros os que  as realizam. Os  principais obstáculos á organização das excursões são: complicações para obter autorizações dos pais, da direção da escola e dos colegas que não querem ceder seu tempo de aula, o medo de possíveis acidentes, a insegurança e o temor de não conhecer os animais e plantas que forem encontrados, os problemas de transporte.

Esses obstáculos foram superados, e com muita confiança e satisfação, a profa. Dina Carvalho com os alunos do 3º "01" e "02" do turno vespertino da E. E. Dom Gino Malvestio realizaram uma excursão na Comunidade do Zé Açu para coleta de amostras para produção de herbários através de descrições da morfologia das plantas encontradas na região.

Além da tarefa dos quais foram incumbidos, como preparar o material para o herbário e seu relatório, os alunos também verificaram alguns problemas interessantes, com o grande aumentamento de queimadas e diminuição de área vede naquela  região.


Entretanto, qualquer que que seja o local que será realizado a excursão/ ou visita, é importante que o aluno ter um problema a resolver e, em função dele, observar e coletar dados. "Uma excursão assim,como toda atividade didática, deve ter objetivos específicos que demandem a busca de informação em ambientes naturais, sem o artificialismo dos experimentos de laboratório, o que propicia uma ecperiência educacional insubstituível"(Krasilchik,2008).












 Referência:
KRASILCHIK, Myrian. Prática de ensino de biologia, Ed USP. São Paulo.2008.p 88

MÓDULO 5:
MULTIMIDIA NA EDUCAÇÃO
Multimidiaeducacional
View more presentations fro
m Dina Carvalho

MÓDULO 6:
TEXTO E HIPERTEXTO NA EDUCAÇÃO 
 A importância das aulas práticas nas disciplinas de Ciências e Biologia

Leitor, 
Navegando no Blog Ciência é ... disponibilizo de post, site com ricas informações  referente ao assunto de ciências e biologia! Siga e Compartilhe!

A importância do trabalho prático é inquestionável na disciplina de Ciências e Biologia e deveria ocupar lugar central no seu ensino (Smith,1975). No entanto, o aspecto formativo das atividades práticas experimentais tem sido negligenciado, muitas vezes, ao caráter superficial, mecânico e repetitivo em detrimentos aos aprendizados teórico-práticos que se mostrem dinâmico, processuais e significativo (Silva e Zanon, 2000).

A importância do trabalho prático é inquestionável na disciplina de Ciências e Biologia e deveria ocupar lugar central no seu ensino (Smith,1975). No entanto, o aspecto formativo das atividades práticas experimentais tem sido negligenciado, muitas vezes, ao caráter superficial, mecânico e repetitivo em detrimentos aos aprendizados teórico-práticos que se mostrem dinâmico, processuais e significativo (Silva e Zanon, 2000).

Para os alunos as aulas práticas despertam interesse e torna-se uma ferramenta infalível para tornar a aula mais prazerosa.É com gratificação que hoje os alunos da E.E. Dom Gino podem desenvolver em sala as aulas práticas com auxilio do microscópio óptico, reagentes, e materiais de laboratório necessários para montagem de lâminas para observação.

Mas, é claro que nem todas as escolas possuem instrumentos e aparelhos sofisticados, mas não significa que não se pode realizar nenhuma atividade prática, ao contrário, é necessário criar as condições concretas para que as mudanças ocorram e alcancem a melhoria da qualidade de ensino incentivando as aulas práticas, pois a escola deve buscar fórmulas que permitam aos alunos organizar se tornar responsável pelos espaços cada vez mais amplos no processo de aprendizagem.

Sendo assim, a abordagem prática poderia ser considerada não só como ferramenta do ensino de ciências na problematização dos conteúdos como também ser utilizada como um fim em si só, enfatizando a necessidade de mudança de atitude para com a natureza e seus recursos, pois, além de sua relevância disciplinar, possui profunda significância no âmbito social (Vasconcelos et al., [s.d] ).

“Como professora de Biologia acredito que a prática permite descobrir e redimensionar o conhecimento que é abstraído através da teoria. Trabalhar com experiências é realmente muito importante para desenvolver habilidades de raciocínio no aluno e motivá-lo para o aprendizado ao aplicar os conteúdos em situações do dia-a-dia. O ponto de partida para a elaboração de uma aula prática  e transformar a sala de aula no laboratório de CIÊNCIAS,caso não tenha o laboratório e saber qual o objetivo que se quer atingir com a experiência.” (Profa. Dina Carvalho)
  

Referência

SMITH, K.A. Experimentação nas Aulas de Ciências. In: CARVALHO, A.M.P.; VANNUCCHI, A.I.; BARROS, M.A.; GONÇALVES,M.E.R.; REY, R.C. Ciências no Ensino Fundamental: O conhecimento físico. 1. ed. São Paulo: Editora Scipione.1998. p. 22-23.
SILVA, L.H.DE A.; ZANON, L.B. A experimentação no ensino de Ciências. In: SCHNETZLER, R.P.; ARAGÃO, R.M.R.Ensino de Ciências: Fundamentos e Abordagens. Piracicaba: CAPES/UNIMEP, 2000.182 p.
VASCONCELOS, A. L. S.; COSTA, C. H.C.; SANTANA. J. R. & CECCATTO, V.M. Importância da abordagem prática no ensino de biologia para a formação de professores (licenciatura plena em Ciências / habilitação em biologia/química - UECE) em Limoeiro do Norte – CE.



MÓDULO 7: 
CONVERGÊNCIA DAS MÍDIAS




Nenhum comentário:

Postar um comentário